Este espaço é reservado para a publicação da documentação do projeto binca no âmbito da disciplina de Projeto 2011/2012 do 3ºano do curso de Novas Tecnologias da Comunicação.
29
Fev 12
 Após uma análise das alturas do público-alvo, fomos compará-las com a altura da mesa, para ver se se tornava ergonómico para as crianças estarem em contacto com a aplicação.
 Concluímos que, dado a altura média das crianças com três anos e altura média de crianças com seis anos terem uma diferença de aproximadamente trinta centímetros, iria ser necessário ajustar a altura da mesa para as diferentes alturas das crianças, tendo para isso que usar um elevador mecânico. No entanto, não achámos uma boa ideia optar por este caminho, pois teríamos de mexer na mesa de cada vez que uma criança com altura diferente quisesse jogar, tendo também conflito quando estivessem a jogar duas crianças com alturas diferentes. Assim sendo, decidimos restringir mais o público-alvo, ficando apenas dirigido para crianças entre os três e os quatro anos.


Durante a reunião com o orientador foram abordados vários tópicos, a explicar a baixo, desde a definição final de algumas tecnologias a descrever no documento viabilidade técnica até a uma nova possibilidade de alteração de hardware da superfície touch

 

 

Primeiro foi discutida a arquitetura de todo o sistema de localização, a fim de decidirmos, de forma definitiva, qual a tecnologia wireless a utilizar e de que forma a implementar. Decidimos então utilizar a tecnologia Bluetooth por vários motivos: as pulseiras emissoras de sinal Bluetooth têm um custo baixo e são facilmente acessíveis; existe um Web service que permite monitorização dos pontos de acesso Bluetooth;  e há a possibilidade de incorporar um access point Bluetooth com IP e wi-fi.

 

 

De seguida discutimos de que forma iria ser feita o cálculo da distância das crianças aos pontos de acesso. Decidimos utilizar a medida RSSI (Received Signal Strenght Indicator), uma vez que como os pontos de acesso vão estar afastados entre 5 e 10 metros entre si, vão existir grandes variações na potência do sinal. Não achamos necessária a utilização de cálculos através de algoritmos e de triangulação de sinal pois os vários pontos de acesso vão ser colocados em corredores e não em espaços 100% fechados, pelo que basta saber se a criança já passou por esse ponto ou não, não sendo necessário saber exatamente se se encontra a 2 ou a 5 metros desse ponto de acesso.

 

 

http://en.wikipedia.org/wiki/Received_signal_strength_indication

 

 

A fim de se saber precisamente quem é o responsável por cada criança vai ser necessário criar uma pequena base de dados em que estejam presentes os códigos Bluetooth das pulseiras e dados simples do responsável pela criança (número de telefone e nome). A base de dados necessita de ser simples para os pais/responsáveis introduzirem os seus dados para facilitar a adesão ao serviço. Como tal pensou-se como funcionalidade a incluir, num sistema de leitura do Cartão de Cidadão para um acesso mais fácil e rápido aos dados do pai/responsável.

 

 

Em relação ao suporte touch foi decidido que iria ser utilizada a mesa touch, em vez de outras tecnologias como por exemplo kinect (como será justificado num post seguinte), uma vez que é o mais indicado para o nosso projeto. No entanto é necessário que a mesa esteja na posição vertical e na altura indicada para uma correta utilização por parte do utilizador. Como tal foi necessário restringir o público-alvo para dos 3 aos 4 anos de idade, assunto a explicar num seguinte post.

 

 

Surgiu também a ideia de modificar a estrutura touch e criar uma espécie de iglu, com uma superfície touch de 180º, de forma a que fosse mais envolvente para o utilizador. Como inspiração tivemos um projeto que criou uma mesa touch curva:

 

           

            http://www.youtube.com/watch?v=5VNTPwVvLzE&feature=related

 

            http://hci.rwth-aachen.de/benddesk

 

 

Discutiu-se a possibilidade de incluir um serviço de envio de SMS como notificação para os pais/responsáveis pelas crianças, como alternativa à aplicação Android, ou seja, não como substituição mas como alternativa para quem não possua dispositivos com o sistema operativo Android.

 

 

Por fim, foi também abordada a questão de no sistema, existirem 3 câmaras de vídeo wireless para streaming de vídeo para a aplicação Android, de forma que o utilizador da aplicação possa escolher que visão do espaço pretende visualizar.

 

 

Como objectivos para a próxima reunião temos:

 

-       Ver os materiais utilizados no projeto DeCA touch

-       Procurar câmaras IP wi-fi e o cartão SD com wi-fi

-       Atualizar a lista de materiais

-       Pesquisar sobre a existência de pontos de acesso Bluetooth com wi-fi

-       Fazer testes na mesa touch de forma a testar a interação com a mesma


pesquisar blog
 
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
18

19
20
22
23
25

26
28